quinta-feira, dezembro 28, 2006

Unwritten Law


Get up. Celebration Song.
Lost Control. Save me.
Seein'red. Blame it on me.
Rest of my life. Babalon.
Sorry.

José Tolentino de Mendonça



As casas


As casas habitadas são belas se parecem
ainda uma casa vazia sem a pretensão de ocupá-las
tornam-se ténues disposições os sinais da nossa presença:
um livro a roupa que chegou da lavandaria por arrumar em cima da cama
o modo como toda a tarde a luz foi entregue ao seu silêncio
Em certos dias, nem sabemos porquê
sentimo-nos estranhamente perto daquelas coisas que buscamos
muito e continuam, no entanto, perdidas dentro da nossa casa

sexta-feira, dezembro 15, 2006

Matza de Lourde




infertilidade


capeta e selvagem e rude e agreste
paisagem suculenta território de peste
e ela cai em tertúlias e monólogos
e a plateia de arbustos e gritos de animais
permitem-lhe a desordem.
-paz é isto a di matza, e deixa tu meu cigarro
pender feito um tronco bem nascido, que aceitará
morrer no princípio da vida.

-paz é isto a di matza, se dizes adeus é morrer

o cigarro pende na secura dos lábios grossos
Matza perde alma do outro lado da vida
desembocando sem húmus longe da africa.

-ai a di matza já não chora mais.
que a vida chorou por ela e matou o peito de dor.
no lugar do rio grande corre um outro de sangue
a di matza, teus filhos estão aqui, apagando incêndio
trazendo a savana no coração e a alma morrida
com saudade di tu, matza. de tu, africa

sexta-feira, dezembro 08, 2006

Models

foto retirada da net


On. Local and or general. Atlantic romantic.
Two cabs to the toucan
.Cut lunch mini clips.
Two people per sq km
. I hear motion.

Carlos Peres Feio

foto de Lucília Alvarez



O céu tem debitado
água de cisterna antiga
nestes dias de folhas mortas

tapete castanho da minha rua
suporta o peso dos que voltam a casa
troncos são decepados com dor
no ritual do Outono

pássaros agora assustados
tentam habituar-se
aos poleiros alterados
novos braços elevados
prece desta cerimónia de água

fogo e tédio
são outras agonias
só eu de longe assisto

vem Inverno
com teu descontentamento.

domingo, dezembro 03, 2006

Tom Waits

foto retirada da net

Take me home. Angels in heaven.
Alice. Empty pockets. Sins of the father.
Dont go into that barn. Blow wind blow.
Smuggler's Waltz. Chocolate Jesus.
The one that got away. More than rain.
God's away in business. Jitterbug boy.

Sophia de Mello Breyner Andresen

foto retirada da net

Eu contarei

Eu contarei a beleza das estátuas
-Seus gestos imóveis ordenados e frios
-E falarei do rosto dos navios
Sem que ninguém desvende outros segredos
Que nos meus braços correm como rios
E enchem de sangue a ponta dos meus dedos

in No tempo divivido (1954)

quinta-feira, novembro 23, 2006

Joe Cocker


Feeling all right.
Let's go get stoned.
With a little help of my friends.
You can leave your hat on.

Ruy Belo

foto retirada da net




As impossíveis crianças



Nesta manhã de Outono dos primeiros frios
mais a caminho da velhice que da minha casa
eu vejo-vos em roda todas a cantar
impossíveis crianças deixais-me brincar?


in Monte Abraão, Transporte no tempo

terça-feira, novembro 21, 2006

Milton de Nascimento


Para Lennon e MacCartney.
Minas (acapella). Amor de Índio.
3ª margem do rio. Raça.
São Vicente. Me deixa em paz.
Cais. Lágrimas do Sul.

António Franco Alexandre

foto retirada da net

Nesta última tarde em que respiro

Nesta última tarde em que respiro
A justa luz que nasce das palavras
E no largo horizonte se dissipa
Quantos segredos únicos, precisos,
E que altiva promessa fica ardendo
Na ausência interminável do teu rosto.
Pois não posso dizer sequer que te amei nunca
Senão em cada gesto e pensamento
E dentro destes vagos vãos poemas;

E já todos me ensinam em linguagem simples
Que somos mera fábula, obscuramente
Inventada na rima de um qualquer
Cantor sem voz batendo no teclado;
Desta falta de tempo, sorte, e jeito,
Se faz noutro futuro o nosso encontro.

In Uma Fábula

terça-feira, novembro 14, 2006

Lamb

foto retirada da net


Sweet.Gorecki.
Softly.All in your hands.
God bless.Wonder.
Cotton wool.

Mário de Sá Carneiro




Serradura


A minha vida sentou-se
E não há quem a levante,
Que desde o Poente ao Levante
A minha vida fartou-se.

E ei-la, a mona, lá está,
Estendida, a perna traçada,
No indindável sofá
Da minha Alma estofada.

Pois é assim: a minha Alma
Outrora a sonhar de Rússias,
Espapaçou-se de calma,
E hoje sonha só pelúcias.

Vai aos Cafés, pede um bock,
Lê o «Matin» de castigo,
E não há nenhum remoque
Que a regresse ao Oiro antigo:

Dentro de mim é um fardo
Que não pesa, mas que maça:
O zumbido dum moscardo,
Ou comichão que não passa.

Folhetim da «Capital»
Pelo nosso Júlio Dantas
-Ou qualquer coisa entre tantas
Duma antipatia igual...

O raio já bebe vinho,
Coisa que nunca fazia,
E fuma o seu cigarrinho
Em plena burocracia!...

Qualquer dia, pela certa,
Quando eu mal me precate,
É capaz dum disparate,
Se encontra a porta aberta...

Isto assim não pode ser...
Mas como achar um remédio?-
Pra acabar este intermédio
Lembrei-me de endoidecer:

O que era fácil - partindo
Os móveis do meu hotel,
Ou para a rua saindo
De barrete de papel

A gritar «Viva a Alemanha»...
Mas a minha Alma, em verdade,
Não merece tal façanha,
Tal prova de lealdade...

Vou deixá-la - decidido
-No lavabo dum Café,
Como um anel esquecido.
É um fim mais raffiné.

sexta-feira, novembro 10, 2006

Al Qabri Ramos



Inimigo
Era o amor antecedido à dor
e desertava ao som dos teus agravos,
tu blasfemavas de mim aos olhos de Deus.
- Distância não mata, faz crescer!
Como se essa fosse a verdade exponencial!

Restaram-nos as evasões posteriores à dor,
ambos as recordamos amargas.
A fuga não era desinteresse ou negação de guerra,
antes pelo contrário, fiel testemunho de
que doía qualquer aproximação ao inimigo.

Fugir-te era dizer-te capaz de me venceres.
E sussurravas entre os lençois de flanela:
- O amor não é guerra de antagonismos,
de titãs, mas de sacrifícios.
(Não há nele vencedores. Nem vencidos.)

Por isto, quando oiço dizer
que as mulheres e a filosofia são iguais,
que respondem ao amor platónico
com um ódio aristotélico,
creio justificado o meu exílio
longe das batalhas corpo a corpo (...)
Como vês, meu querido inimigo,
só tu não o podes entender. Ainda.
Dos rancores restou uma semente
que procuro matar sem armas de fogo.

Lucinda Williams

foto retirada da net

Drunken Angel. World without tears.
C'mon
. Cant let go.
There's a story in your voice.
Smiles.Too good to be forgoten.

Laura de Jesus

foto retirada da net


Noctívaga

a noite foi testemunha e ainda hoje é
da falta de paz, da insónia
das fracções de segundo rasando os abismos...
mas retardo-me sempre no temporizador
as lembranças más vêem sempre em primeiro lugar
quando os meus olhos chovendo se fecham,
e estancam na vã lembrança das boas.
porque digo vã, se é nelas que ganho a fé
de acreditar que não há só noites mal dormidas,
porque também raia o dia?
e é madrugada da quase manhã
que chegará ao som de frevo embalando almas,
encaminhando quem não sabe mais de que é feita a vida,
nos ombros dela, da brava solidão caminham todos os ais.
Todos os bocejos, todos os desertos e matagais,
todos os abutres e aprendizes e medos,
que só ela tão bem sabe esconder.
Salto para a réstea de escuro que encontro
na aurora e entro derrotada nesse princípio do dia
e sem mágoa,de olhos secos e fechados,
enquanto os homens acordam e perdem a consciência,
enquanto se demoram para pousar
o beijo no sítio do costume.
Na testa, no olho desperto, na alma.
Abrigada no mundo do sono agitado,
dormito até ser acordada pelo silêncio
dos homens, no final do dia.
E só nessa altura venço a escuridão.

quinta-feira, novembro 09, 2006

Coldplay



The cientist. Square one.
God put a smile upon your face.
The hardest part. Spies.
Lost. Speed of sound.

Carlos Peres Feio

foto-montagem de A.Carsten



por detrás dos sonhos

estou nos teus sonhos pelo
milagre do teu amor.
estás nos meus sonhos
quando acordado,
e a dormir,
naquela área por detrás dos sonhos,
onde a vontade é só nossa.

dez. 2005, in Podiam ser mais
...a pedido e dedicado a MFB (2006)

terça-feira, novembro 07, 2006

Sting

foto retirada da net

Fortress around your heart.
Russians. Englishman in New York.
When we dance.Send your love.
Fragile.Ten summoner's tales.
Shape of my heart. Fields of gold.

Charles Chincholles

foto retirada da net


o grande mérito da sociedade é que nos faz apreciar a solidão

Broken Social Scene

foto retirada da net



Almost Crimes. Pitter patter goes my heart.
I'am still your fag. Fire eyed' boy. Hotel.
7/4 Shoreline. Ibi.Cause time. Lovers spit.
Just like the sun
.Major label debut.
Anthems for a 17 year old girl
.
I'll bring the sun.Raising the fawn.

Inês Figueiredo

foto retirada da net

Isto em mim


Noutro lugar de mim mas,
mesmo assim, ainda em mim,
tu, um deus,vizinho em mim,
por tênues tabiques separado,
trazes as cadeiras e as mesas,
os lençóis e as frutas do jardim.
Embora o cão rosne,
a lâmpada do poste se apiede
dos fantasmagóricos signos da calçada
ainda assim, tu, isto em mim,
instala–te na clareira, barroso chão,
apodera-te da única cadeira
e em mim navegas
naquela madeira à deriva, poeira,
do porão do meu rosto.


domingo, novembro 05, 2006

Keane

foto retirada da net

Crystal ball.

Everybody's changing.

We might aswell be strangers.

Try again.

Somewhere only we know.

This is the last time.

Beatriz Alcântara

foto de Louisa Schlepper


Intromissão

como um cachorro vadio que
entra inesperadamente numa fotografia
vejo o tempo invadir meu corpo e dizer
que a maturidade chegou
vejo a sensatez apoderar-se
de minha alegria e dizer acabou

sexta-feira, outubro 27, 2006

Hot Chip

foto retirada da net



Over and over. Boy from School.
Playboy.Baby said. Lollapalooza.
Keep Fallin'. It's time.

Chris O'Bee

foto retirada da net



Kew Gardens

Wistful clouds floating up on high
Forming beautiful images, as they sailed on by.
The whispering breeze guiding their serene flight,
Pursued by moon beams, as day turned to night.
A sprinkle of rain drops, glistening in the trees,
Standing ever taller, water teasing their golden leaves.
Mother nature at her best, as the sun disappeared from view,
As I turned for home, to leave these beautiful gardens of Kew.
Content in the knowledge, I would soon return,
To enjoy, again, this peace, for which I so yearned.

Al Qabri Ramos

foto retirada da net


Urban nightmare


urban no more
small villages or grey town
neverless my mind
neverless how that sounds.

wanna wake far from industrial smoke
wanna breed trees and forget weapons
wanna lay on river side and fell from above.

urban people on urban houses
with urban clothes
in urban habits of urban souls
black and grey
the urban human parade.

quinta-feira, outubro 26, 2006

The Cure

foto retirada da net


Just like heaven. Why can't i be you.
In between days. Friday i'm in love.
Love song. The blood. Lovecats.
Fascination street. Pictures of you.
One hundred years. Killing an arab.
A forest. Boys don't cry. Lullaby.
Push. Play for today. Mint car.
Jumping someone else's train.
Taking off. End of the world.
Other voices...

David Mourão Ferreira

foto retirada da net



Paraí­so

Deixa ficar comigo a madrugada,
para que a luz do Sol me não constranja.
Numa taça de sombra estilhaçada,
deita sumo de lua e de laranja.

Arranja uma pianola, um disco, um posto,
onde eu ouça o estertor de uma gaivota...
Crepite, em derredor, o mar de Agosto...
E o outro cheiro, o teu, à minha volta!

Depois, podes partir. Só te aconselho
que acendas, para tudo ser perfeito,
À cabeceira a luz do teu joelho,
entre os lençois o lume do teu peito...

Podes partir. De nada mais preciso
para a minha ilusão do Paraíso.

quarta-feira, outubro 25, 2006

Dire Straits

foto retirada da net



Sultans of swing. Walk of life.
Money for nothing. What it is.
Speedway at Nazareth. Industrial desease.
Across the river. Down to the waterline.
Brother's in arms. Expresso love.
Romeo and Juliet. Tunnel of love.
Love over gold. So far away.

Augusto dos Anjos

pintura retirada da net




Vozes da morte


Agora, sim! Vamos morrer, reunidos,
Tamarindo de minha desventura,
Tu, com o envelhecimento da nervura,
Eu, com o envelhecimento dos tecidos!

Ah! Esta noite é a noite dos Vencidos!
E a podridão, meu velho! E essa futura
Ultrafatalidade de ossatura,
A que nos acharemos reduzidos!

Não morrerão, porém, tuas sementes!
E assim, para o Futuro, em diferentes
Florestas, vales, selvas, glebas, trilhos,

Na multiplicidade dos teus ramos,
Pelo muito que em vida nos amamos,
Depois da morte inda teremos filhos!

terça-feira, outubro 24, 2006

The Cranberries

foto retirada da net


Dreams. Analyse. Zombie. Empty. Animal instinct.
When you're gone. Linger. Stars. Ode to my family.
Ridiculous thoughts. Ave Maria. Just my imagination.
This is the day. Time is ticking out. Go your own way.
Astral Projection. No need to argue. I can't be with you.
Put me down. Pure love. In it together. Sunday.
Salvation. Promises. Joe. Panis angelicus.
Desperate Andy. Pretty. Adeste fideles.
Loud and clear. Free to decide. Forever yellow skies.
Wanted. Hollywood. I still do. The icicle melts.
I just shot John Lennon. You and me. Waltzing back.
Daffodil lament. Everything i said. Wake up n' smell coffee.
Still can't. Yeat's grave. Delilah. Saving Grace.

Jorge Santiago

foto retirada da net


Introspekt

Sempre quis ser actor.

Mas não queria,
verdadeiramente.
O que me atraía
era a ideia de o ser.

Não era o palco,
as luzes, as pessoas,
nem sequer o reconhecimento.

O que me atraía,
verdadeiramente,
era poder não ser eu,
ser outro.

Era a máscara,
a outra vida,
de outro que não tivesse que ser eu,
sempre.

A fadiga de ser eu,
e o desejo de não ser.
Mas quero sempre voltar
Ao eu que me penso ser.

Não vivo bem comigo.
Talvez.

Mas o que me parece,
verdadeiramente,
é que o eu que me deram
não chega.

Tenho que ser mais do que um.
(Embora por vezes queira ser nenhum.)

Sempre quis ser actor.


in obscuro poeta latino, Out. 2006

segunda-feira, outubro 23, 2006

Janis Joplin

foto retirada da net



Try. Mercedes Benz.
Piece of my heart. Maybe.
Down on me.Work me lord.
Summertime. Move over.
Raise your hand. Ball and chain.
Kosmic Blues.
Me and Bobby McGee.
Cry baby. Tell mama.
Spy hit list. Coo-coo.

José Tolentino de Mendonça

pintura retirada da net


Os amigos

Esses estranhos que
nós amamos e nos amam
olhamos para eles
e são sempre adolescentes,
assustados e sós
sem nenhum sentido prático
sem grande noção da ameaça
ou da renúncia que sobre a luz incide
descuidados e intensos no seu exagero
de temporalidade pura

Um dia acordamos tristes
da sua tristeza
pois o fortuito significado dos campos
explica por outras palavras
aquilo que tornava os olhos
incomparáveis
Mas a impressão maior
é a da alegria
de uma maneira que nem se consegue
e por isso ténue, misteriosa:
talvez seja assim todo o amor



in De Igual Para Igual

sábado, outubro 21, 2006

The Magic Numbers

foto retirada da net



Forever lost.
Love's a game.
Don't give up the fight.
I see you, you see me.
Love me like you.
Take a chance.
Gone are the days.

Luís Brito Pedroso

foto retirada da net














57

Ainda não sabia ler
já tinha desenhado o mapa do mundo
Era um canhoto com vontade de refazer as geografias

Hoje olho o passado
Lembro os anos em que o corpo-sol
atingia satisfeito o declínio do Verão

Incinerei as angústias em auto-diálogo:
lapidando o meu manso olhar no espelho
Todo eu me sentia verdade
subindo a bordo dos barcos
Habitando oceanos países de água
para melhor compreender a terra
a pureza

quinta-feira, outubro 19, 2006

Alberto Caeiro

pintura retirada da net



O amor é uma companhia


O amor é uma companhia.
Já não sei andar só pelos caminhos,
Porque já não posso andar só.
Um pensamento visível
faz-me andar mais depressa
E ver menos, e ao mesmo tempo
gostar bem de ir vendo tudo.
Mesmo a ausência dela
é uma coisa que está comigo.
E eu gosto tanto dela
que não sei como a desejar.
Se a não vejo, imagino-a
e sou forte como as árvores altas.
Mas se a vejo tremo,
não sei o que é feito
do que sinto na ausência dela.
Todo eu sou qualquer força
que me abandona.
Toda a realidade olha para mim
como um girassol
com a cara dela no meio.


in O Pastor Amoroso

Zazie




Homme sweet homme.
Taratata. Taratata.
Excuse moi. Doolididom.
Chanson d'ami. Larsen.
Zen. Dance avec le loups.
Maniac. Avec les temps.
Je, tu, ils. Tout le monde.
Le soleil donne. Adam et Yves.
Tu verras, tu verras.
Ça fait mal et ça fait rien.
Tout des anges.

Jorge de Sena

foto retirada da net



Sem data

Esta voz com que gritei às vezes
Não me consola de só ter gritado às vezes.
Está dentro de mim como um remorso, ouço-a
Chiar sempre que lembro a paz de segurança estulta
Sob mais uma pedra tumular sem data verdadeira.
Quando acabava uma soma de silêncios,
Gritava o resultado, não gritava um grito.
Esta voz, enquanto um ar de torre à beira-mar
Circula entre folhas paradas,
Conduz a agonia física de recordar a ingenuidade.

Apetece-me explicar, agora, as asas dos anjos.

quarta-feira, outubro 18, 2006

Inxs

foto retirada da net


Spy of love. This time.
Red Hill. Born to be wild.
Simple Simon. Mistify.
Don't loose your head.
Kiss the dirt. Golden playpen.
Don't change. Burn for you.
Jan's song. The one thing.
The loved one. I send a message.
Good times. Bitter tears.
Need you tonight and mediate.
Guns in the sky. Taste it.
Baby don't cry. Tight.
Searching. Suicide blonde.
Disappear. Everything.

Charles Bukowski

foto retirada da net



Consummation Of Grief

I even hear the mountains
the way they laugh
up and down
their blue sides
and down in the water
the fish cry
and the water is their tears.
I listen to the water on nights
I drink away
and the sadness becomes so great
I hear it in my clock
it becomes knobs upon my dresser
it becomes paper on the floor
it becomes a shoehorn
a laundry ticket
it becomes cigarette
smoke climbing a chapel of dark vines. . .
it matters little
very little love is not so bad
or very little life
what counts
is waiting on walls
I was born for this
I was born to hustle roses
down the avenues of the dead.

terça-feira, outubro 17, 2006

Royksopp

foto retirada da net



Thrustin.
Go with the flow.
You couldn't see me.
Follow my ruin.
Triumphant.
Only this moment.
What else is there.
Eple. Remind me.
Sparks. Don't give up.
49 percent. Poor Leno.
Beautiful day.

Chico Buarque da Holanda

foto retirada da net



até ao fim

quando nasci veio um anjo safado
o chato dum querubim
e decretou que eu tava predestinado
a ser errado assim
já de saída a minha estrada entortou
mas vou até ao fim

inda garoto deixei de ir à escola
cessaram meu boletim
não sou ladrão, eu não sou bom de bola
nem posso ouvir clarim
um bom futuro é o que jamais me esperou
mas vou até ao fim

Eu bem que tenho ensaiado um progresso
virei cantor de festim
mamãe contou que eu faço um bruto sucesso
em quixeramobim
não sei como o maracatu começou
mas vou até ao fim

por conta de umas questões paralelas
quebraram meu bandolim
não querem mais ouvir as minhas mazelas
e a minha voz chinfrim
criei barriga, minha mula empacou
mas vou até ao fim

não tem cigarro, acabou minha renda
deu prega no meu capim
minha mulher fugiu com o dono da venda
o que será de mim?
eu já nem lembro pronde mesmo que vou
mas vou até ao fim

como já disse era um anjo safado
o chato dum querubim
que drcretou que eu tava predestinado
a ser todo ruim
já de saída minha estrada entortou
mas vou até ao fim

segunda-feira, outubro 16, 2006

Peter Gabriel

foto retirada da net




Sledgehammer. When you're falling.
Red rain. Steam. Come talk to me.
Blood of Eden. Snapshot.
Across the river. Kiss that frog.
Games without frontiers.
Slow marimbas. Biko.
Shock the monkey. Big time.
Shaking the tree. Don't give up.
In your eyes. I grieve for you.
Imagine. Solsbury Hill.
San Jacinto. Digging in the dirt.
Washing of the water. Secret world.
Growing up. Father and son.
On the air. Not one of us.
Don't give up. Here comes the flood.

Herberto Helder

foto retirada da net


360 graus

Era uma velha mãe em fundo de jarrão verde com aplicações de latão, flores fabulosas devidamente domesticadas.
Também havia uma pêndula ressoante por onde o tempo se introduzia nas pessoas.
Este quarto dura desde as origens da vida - penso.
Foram entrando nele, como pequenas correntes tranquilas, os minutos dos séculos.
Minha mãe é tão velha diante da mesa oval de pau-santo.
Todas as mães são velhas.
Vejo isso de repente, quando ainda imagino a tenacíssima doçura que se desenvolve do núcleo central da sua beleza.
Felizmente não se pode assistir ao vagaroso envelhecimento de uma pessoa.
Vê-se tudo de uma só vez. É quando já somos cépticos.
Vê-se que todas as mães caem de podres.
A velhice começou pelo meio, algures, num sítio obscuro. No seu amor.
Ou no pânico que acompanha esse amor. Quando as mães estão velhas, encontramo-nos absolutamente sós.
Vou-me embora - declarei eu. Podemos então correr mundo.
É-nos dado sofrer à vontade; ser alegres, violentos e loucos; fugir; amar todas as coisas como
se estivéssemos perdidos para sempre. (...)