terça-feira, setembro 05, 2006

Ulma Seligman


A Verdade Morreu

A Verdade morreu
Não se estima a piedade,
A infâmia e o erro
São fortes e poderosos,
Não há quem busque ser
Virtuoso e humilde,
E o respeito de Deus
Foi esquecido.
Ninguém sente desgraça
Em ser pedinte,
Grande é a vergonha,
As almas são pequenas face à culpa.
Em vez de amigos
Há inimigos.
Na companhia
Há inveja,
E amor fraternal É um engano.
HonraNão mais existe.
Dinheiro é a Palavra –E quem o tem é senhor.
Todos fazem dele discussão.
Meu Deus, o que será de nós!

Sem comentários: