sexta-feira, outubro 06, 2006

Al-berto

foto retirada da net




O medo

aqui está o fogo, bebe.
aqui estão as estrelas
cujos nomes alguém inscreveu a sangue.
aqui está a terra onde me sepultarás.
longíquos dias, travessia de séculos,
noites perdidas na inutilidade irrequieta
dos quartos-minguantes.
aqui estou, perdido para sempre,
sozinho, quase sem mim, a evitar o pior.
pego num cigarro, fumo-o sofregamente.
desejo-te ainda.
se o telefone tocasse, se batessem à porta,
se me apetecesse sair daqui.
já não estou contigo nem com os outros.
eles estão vivos, movimentando-se.
eu não sei se estou vivo, imobilizo-me.
os cães ladram junto à janela,
ouço-os cada vez mais longe.


in Livro X - o medo 3

1 comentário:

lup51 disse...

great. quando for grande quero escrever coisas assim