segunda-feira, janeiro 01, 2007

Luís Brito Pedroso



91

Lanço as sementes num nome luminoso
Adivinho: nada
Nunca
Esqueço o futuro, sei que tudo termina
A minha voz termina
Calo-me no galope do tempo
Dezembro viverá para sempre.


Sem comentários: