sexta-feira, dezembro 05, 2008

Correia Garção sobre Pina de Melo



Não busques pensamentos esquisitos,
Em denegridas nuvens embrulhados;
Não tragas, não, metáforas violentas
Imitando esse Corvo do Mondego
Que entre os Cisnes do Tejo anda grasnando



poesia barroca


2 comentários:

Guru Martins disse...

...deixemos ele
onde, sempre,
ele deve ficar.
e que assim seja!!

bj

innername disse...

;)