segunda-feira, fevereiro 09, 2009

Gastão Cruz

Transe

Num tempo neutro acordo
entre a noite e o dia
sob um céu ilegítimo condensa-se
a mudança
nuvens totais exprimem
a presente longínqua
madrugada
as aves sobrevivem na queda
ao tempo branco

Acordo sob um céu sob um tecto
dum quarto
É uma imagem pobre uma velha
metáfora No exterior porém
das paredes toalhas além
dos vidros turvos de nuvens
apagadas
agride-me a imagem invisível
opaca
da madrugada externa
que
no dia se espalha
como uma norma espessa
uma neutra linguagem
O céu é como um poço como um mar
como um lago
comparações banais mas as mais
eficazes onde aves
como peixes
transitam lentamente errando
nas palavras
Procuro adormecer
o silêncio do
dia inutiliza a vida
Provavelmente nada
mudará ou talvez
tudo tenha mudado há muito
ou vá mudando
sob o lago do céu onde os
peixes descrevem
ilegítimos voos como velhas
metáforas

6 comentários:

pin gente disse...

também os peixes se entregam a voos.
como nós andam loucos. não se entendem com as águas, que os acolhem. equivocam-se com as correntes, que falam linguagem gestual. esquecem-se que têm guelras. que os seus escamosos corpos não estão equipados para as ventanias. que escamas não são penas é por demais evidente. mas deixou de haver evidências. ou são tão óbvias que nos e os baralham. e os peixes não voam. só os voadores. mas também nós não voamos e fazê-lo! porque não eles?
sempre me disseram que querer é poder. alguém o deve ter dito também aos peixes...
voem! voem... que eu também vou voar.



um beijo
luísa

innername disse...

"voemos, então"
obrigado pela visita Luisa.
Bom fim de semana (espreitei o banana ou chocolate e gostei do cantinho da tua menina), vou espreitar mais tarde este pin gente

vida de vidro disse...

Tudo muda, a cada instante. Gostei muito deste poema de um autor que não conhecia. **

antónio paiva disse...

...

Gastão Cruz,

um poeta que ando a conhecer aos poucos, devagarinho.

porque os bons são para "mastigar" lentamente.

um destaque mais do que justo.

bem haja pelo serviço público.

abraço.

innername disse...

Ainda bem que gostaste, Alice. António, é como diz: digerir, saborear, a poesia só pode ser assim consumida. Bom fim de semana ou bom inicio de semana, parece que o domingo está a terminar. ;)Abraços

AugustoMaio disse...

Um grande Poeta.

"Não penses nas canções da primavera que duraram o tempo que deviam
é do outono o som destas planícies
destes cporpos talvez demasiado
consumidos"

Teoria da fala
Transe