terça-feira, maio 19, 2009

Antero Guedes



Arte


Uma palavra ao artesão


Simples
Expressão.
Sua condição interna.

Imaginação.
Braços largos, mãos recorrentes e
No manuseio da semente, a dádiva é arte.

Querença.
Força bruta, impoluta, desgovernadamente
Breve, solta a bofetada crítica primitiva.

Vem ter comigo!
Quero o toque, o esplendor
Leve e suave pregado na minha alma.

Todas as cores.
Os aromas.
Os sabores.
A música.
Mãos, descansam
Do trabalho feito.
Na vida tudo é exposição.


2 comentários:

Anónimo disse...

É bom ter irmãos assim! por isso digo: "- Não preciso de dizer nada! Sinto!"
A voz tem o seu encanto num sussuro de alma, digo: "- Linda essa Arte que me mostras em retrato! Enche meu escrito dando-lhe a vida, prometida!?"

innername disse...

só o artista pode manifestar isto, pode descrever o seu retrato.
Considero este poema simples mas rico da expressão de arte