domingo, maio 10, 2009

Daniel Faria




Estranho é o sono que não te devolve.

Estranho é o sono que não te devolve.
Como é estrangeiro o sossego
de quem não espera recado.
Essa sombra como é a alma
de quem já só por dentro se ilumina
e surpreende
e por fora é
apenas peso de ser tarde.

Como é amargo não poder guardar-te
em chão mais próximo do coração.

In Explicação das Árvores e de Outros Animais, 1998

2 comentários:

Cláudio disse...

Não conhecia este poema do Daniel Faria. Que bela sensação de descoberta... Obrigado *

innername disse...

Pena que tenha já morrido e isso seja o maior impeditivo de termos mais da sua forma de ver o mundo, mas ainda deixou alguma coisa pra nosso prazer.
U're welcome