domingo, maio 08, 2011

Xutos e Pontapés

Rock português.
Homem do Leme. Chuva dissolvente.
Manhã submersa. À minha maneira.
Mundo ao contrário. Contentores.
Sem eira nem beira. Circo de feras.
Para sempre. Fim do mês.
A minha casinha. Não sou o único.





Para mais informações da formação e trabalhos da banda, cortesia da Wikipedia.

Miguel Torga



Ibéria

Terra.
Quanto a palavra der, e nada mais.
Só assim a resume
Quem a contempla do mais alto cume,
Carregada de sol e de pinhais.

Terra-tumor-de-angústia de saber
Se o mar é fundo e ao fim deixa passar...
Uma antena da Europa a receber
A voz do longe que lhe quer falar...

Terra de pão e vinho
( A fome e a sede só virão depois,
Quando a espuma salgada for caminho
Onde um caminha desdobrado em dois).

Terra nua e tamanha
Que nela coube o Velho-Mundo e o Novo...
Que nela cabem Portugal e Espanha
E a loucura com asas do seu Povo.


in Poemas Ibéricos, 1952-1965

domingo, maio 01, 2011

Joy Division







Os Joy Division nasceram da vontade de quatro homens ingleses, Ian Curtis,  Bernard Sumner, Peter Hook e Stephen Morris. Inicialmente, em 1977, quando se iniciaram, o projecto tinha o nome de Warsaw e foi, posteriormente alterado para Joy Division, com o fim de evitar conflitos com uma outra banda, cujo nome era Warsaw Pact. Receberam influências musicais e de estilo de Sex Pistols, David Bowie, Iggy Pop, Lou Reed, Jim Morrison e tantos outros, no entanto, assumiram-se como banda de pós-punk. A banda gravou o primeiro trabalho em estúdio cujo tema foi Unknow Pleasures, seguido de Closer. Ao vivo, podem contar-se muitos outros, como exemplo Preston Warehouse, The Peel Sessions, The Complete BBC recordings, Compilações foram produzidas seis (Still, Substance, Permanent. Warsaw, Heart and soul, The best of Joy Division). Após a morte de Ian Curtis (suicídio por enforcamento devido a problemas de divórcio e envolvimento dele com uma jornalista), em 18 de Maio de 1980, a banda decidiu terminar os Joy Division e iniciarem um novo projecto onde Ian se mantém vivo através dos seus músicos. Os New Order. 


Existence well what does it matter? I exist on the best terms I can. The past is now part of my future, The present is well out of hand. (Ian Curtis)