quinta-feira, fevereiro 16, 2012

Natália Correia





Necessário é satisfazer o ofício das trevas


I
Uma dor fina que o peito me atravessa,
A escuridão que envolve o pensamento,
Um não ter para onde ir cheio de pressa,
Um correr para o nada em passo lento,

Um angustiante urgir que não começa
Um vazio a bolar no alheamento,
Uma trôpega ideia que tropeça
No vácuo de um estranho abatimento.

É tédio? É depressão? Talvez loucura?
É, para um além de mim, passagem escura?
Um ir por ir que não tem outro lado?

É, sem máscaras, a esperança enfim deposta,
Ou no extremo da verdade exposta
A ironia feroz de um deus calado?


in Poesia e sonetos românticos, edit. Frente e Verso
fotografia de Joerg Colberg

Sem comentários: