quinta-feira, março 15, 2012

Rui Almeida



O homem que se olha ao espelho sabe
Que vai morrer. Não sabe quando ou como,
Mas reconhece a finitude da vida
— Da sua vida, de cada vida.

Contempla o processo biológico
E admira-se perante o zelo do tempo
A modelar-lhe a velhice no rosto.






in “Resumo, a poesia em 2009″ . Lisboa: Assírio & Alvim, 2010
foto do actor Charles Bronson retirado da web 


Biografia retirada do blog Amadeu Baptista
Rui Almeida nasceu em Lisboa, em 1972. Mantém, desde 2003, o blogue Poesia distribuída na rua. Publicou em 2009 o livro de poemas Lábio Cortado (Editora Livrododia), ao qual havia sido atribuído o Prémio Manuel Alegre, da Câmara Municipal de Águeda. Está incluído nas antologias Os Dias do Amor – Um poema para cada dia do ano (Ministério dos Livros, 2009), Divina Música (Conservatório Regional de Música de Viseu, 2009), Resumo – a poesia em 2009 (Assírio & Alvim, 2010) O prisma das muitas cores - Poesia de Amor Portuguesa e Brasileira (Labirinto, 2010), Nada onde pousar o sonho (Desafio Miqueias, 2010) em delírio há vinte anos (non nova sed nove, 2011). Tem textos publicados nas revistas Saudade, Big Ode, Callema, Sítio,Inútil, Sulscrito e ainda nas revistas online Minguante e Diversos Afins.

Sem comentários: